Aleatoriedade #1: Pseudo

Às vezes no silêncio da noite
Eu fico imaginando
Cacos
Pedaços
Palavras soltas
Frases esvoaçantes

(Fragmentos de uma poesia ainda não alcançada,
Sabe-se lá se a terei um dia em minhas mãos
E diante de meus olhos)

Pessoas caminhando nas ruas da minha mente
Transeuntes, passageiros, moradores
Querendo ser o que não são
E o que tem medo de ser
Porque embora o desejem ardentemente
Mas imediatamente dizem
Não da, não é pra mim, sonho meu, na próxima quem sabe
Blá, blá… mesma ladainha.

Continuar lendo “Aleatoriedade #1: Pseudo”

Anúncios
Aleatoriedade #1: Pseudo