Frenético

Um sobressalto. Acordo suado, mesmo com o ventilador de teto no máximo. O vizinho ainda está com a luz acesa; fora isso, está tudo escuro. O tempo é quente, mas há vento lá fora, as janelas estão abertas e o ventilador traz o refresco. Mas estou pingando de suor e meu corpo está tão aquecido como da última vez que estive contigo…

(Foto por Emotional Diary. http://www.emotionaldiary.org/)

Eu tento esquecer o quanto posso. E até consegui. Há dias não pensei em você e só me dei conta disso antes de dormir ontem, porque já tem dias que eu não tinha aqueles 20 ou 30 minutos diários de paranoia em me imaginar contigo, em projetar o futuro, em te abraçar e beijar ou em pelo menos tentar prever sua reação ao me olhar, e eu fico imaginando que você vai me querer, vai ficar surpresa ou pelo menos me admirar com um sorriso no rosto e o coração batendo forte.

Ah… maldita hora em que imaginei. Nem lembro o que sonhei, mas deve ter sido um pesadelo aterrorizante ou um susto muito grande, do tipo que se cai de um precipício. E eu caí. Eu me joguei sem paraquedas no precipício de estar contigo e me esborrachei no chão. Mas sabe o que é o melhor? (ou o pior, não sei, você decide) É que eu não desisto! Eu me quebro todo, mas acabo voltando ao penhasco e me jogo mais uma vez. Você bem sabe como eu sou teimoso, vivo quebrando a cara, mas não desisto e enquanto subo ao penhasco as dores da cara quebrada vão aliviando, só pra eu cair e quebrar de novo!

E eu tento muito, você não faz ideia, mas tento muito esquecer você, mas qualquer coisa que eu olho me lembra você! Um casal de velhinhos na rua, crianças brincando (lembra o dia que fomos andar no parque?), aquela floricultura ou aquele restaurante pequeno e aconchegante, as muitas canções que cantamos juntos, os shows e filmes que assistimos, os temakis compartilhados e mesmo as brigas que tivemos. Isso tudo tá guardadinho e eu faço tanta questão de esquecer como faço de guardar em mim. E ainda as fotos e vídeos, os textos, a carta que você me mandou quando viajou! Caramba! Eu até hoje quero rasgá-la com o maior gosto, mas quando seguro-a nas mãos, toda a fúria se dissipa, eu dobro a carta e guardo de volta. E as fotos? Gravei uns 4 DVDs e ainda fiz backup na internet. E eu escondi os DVDs justamente pra não ter a mesma reação que tenho ao olhar para a bendita da carta.

Enfim, levantei e fui tomar uma água, mas por mais gelada que estivesse, desceu queimando e travando a garganta. Fui olhar a rua, na vista da varanda. Noite quente, porém ventilada, rua vazia, fracamente iluminada, sem um pé de gente nem som de carros ou de vizinhos fazendo festa. Fui olhar pro nada e tentar esvaziar a mente, pensar em qualquer coisa.

Não adianta. Eu poderia ligar a TV que esse efeito só duraria pouco tempo. Em breve as lembranças voltariam. Você se tornou meu maior sonho e meu pior pesadelo. E eu sei que se eu tornar a me deitar não vou pegar no sono nem tão cedo. Vou embolar bastante na cama, mas mais do que isso, por dentro eu estou me matando por te querer e querer esquecer e te querer mais e querer esquecer mais. Quanto mais eu tento mudar minha mente, mais frenético eu fico, mais o meu interior explode, e por mais que eu lute pra aparentar que por dentro está tudo calmo e ok mais os pensamentos vão e vem! Estou enlouquecendo, creio até que enlouqueço de verdade, e sei que só se eu pegar no sono eu esquecerei, porque aí eu vou esquecer até de mim mesmo.

Mas não adianta.
Eu quero você.
E eu quero você agora.

Muse – “Hysteria”

 

(Originalmente postado no blog Dialetos & Coisas Boas.)

Anúncios
Frenético

Comenta aí, ó! :D

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s