Porque os jovens profissionais da geração Y estão infelizes

Essa é uma bela ilustração da realidade da geração Y. Que, por sinal, é a minha geração (nasci em 93) e as mesmas coisas que o texto diz aconteceram: o que meus avós fizeram e disseram a meus pais, o que meus pais fizeram e me disseram (sendo que eu fui menos mimado pq nasci em periferia, não dava tempo de mimar, tinha que correr atrás mesmo) e os perrengues que eu passo agora enquanto termino uma faculdade que até acho legal mas nunca quis fazer e é irritantemente difícil e desregulada. E, claro, toda a parte das mídias sociais e do ideal de vida perfeita… ledo engano, ledo engano.
Vale MUITO a pena ler e compartilhar por aí.

Demografia Unicamp

Esta é a Ana.

Ana é parte da Geração Y, a geração de jovens nascidos entre o fim da década de 1970 e a metade da década de 1990. Ela também faz parte da cultura Yuppie, que representa uma grande parte da geração Y.

“Yuppie” é uma derivação da sigla “YUP”, expressão inglesa que significa “Young Urban Professional”, ou seja, Jovem Profissional Urbano. É usado para referir-se a jovens profissionais entre os 20 e os 40 anos de idade, geralmente de situação financeira intermediária entre a classe média e a classe alta. Os yuppies em geral possuem formação universitária, trabalham em suas profissões de formação e seguem as últimas tendências da moda. – Wikipedia

Eu dou um nome para yuppies da geração Y — costumo chamá-los de “Yuppies Especiais e Protagonistas da Geração Y”, ou “GYPSY” (Gen Y Protagonists & Special Yuppies). Um GYPSY é um tipo especial de…

Ver o post original 1.588 mais palavras

Porque os jovens profissionais da geração Y estão infelizes